unfollows

23 de set. de 2021
houve algum tempo em que fiz muita questão de que o número de seguidores no meu instagram fosse alto, já fiz aquela coisa de seguir muitas pessoas só para elas me seguirem de volta. não que eu quisesse me tornar famoso, mas é que os números sempre representaram (e ainda representam para muitas pessoas) o sinônimo de sucesso. nunca quis ser famoso, mas todo mundo que é artista gosta de ser reconhecido por aquilo que faz. as fotos. os textos. ser seguido há alguns anos era muito bom, porque as pessoas realmente recebiam o que a gente fazia (vou tentar não chamar de conteúdo, porque já não aguento mais esse termo). hoje as coisas já mudaram e já me sinto muito desmotivado a publicar fotos, textos e qualquer outra coisa na internet - porque não tenho a vontade de produzir vídeos todos os dias e muito menos aparecer com a minha cara para todo mundo ver.

não se trata de vergonha, isso eu nem tenho mais. é só a disposição que não existe mesmo, não tenho a disposição de me desdobrar ainda mais para criar algo que um algoritmo venha definir ser bom ou ruim. se estou fazendo algo é porque acredito que aquilo seja bom, acredito que faça sentindo e seria bem interessante se as pessoas que me seguem conseguissem ler isso sem eu precisar de um milhão de artifícios para então, quem sabe, chegar lá.

a criação morre com a necessidade de urgência - e sempre foi assim. agora já não faz mais sentido ter vários seguidores, a mídia social deixou de ser aquele grande espetáculo e virou apenas mais do mesmo, vídeos repetidos, imagens muito rápidas e uma coisa assim, meia sem emoção (desculpa todo mundo que passa horas produzindo coisas). decidi fechar meu instagram por alguns motivos e acabei gostando dessa ideia, de manter como um diário mesmo, dei unfollow em pessoas que eu nunca vi e que talvez nunca veria. porque existem pessoas que a gente segue apenas por aquele sentimento de "seguir de volta". deixei de seguir mais de 300 pessoas por simples motivo de não haver conexão ou um interesse realmente profundo. e isso fez bem.

mas ainda não conseguia me desprender do número de seguidores - que nunca foi tão alto (1900 pessoas no instagram). 1900 pessoas que eu não fazia ideia de quem era, que eu não sabia se estavam interessadas no meu pequeno diário, que eu não fazia ideia de se um dia viria interagir com elas. me desprender desse número foi uma coisa tão... libertadora. digo isso porque hoje já não quero mais ligar o meu sucesso, a minha arte, as minhas palavras a apenas números. existem outras coisas que a gente tem que considerar, como uma mensagem inesperada, um elogio. números massageiam o ego, mas palavras permitem ir longe.

hoje tenho um número bem mais insignificante ainda, 700 pessoas (e abaixando). é bem exaustivo essa etapa da dar unfollow em você mesmo, existe uma dupla confirmação no instagram que deixa o processo ainda mais lento. e tem sido bom, sabe? deixar ali apenas as pessoas que eu gosto, consumir as coisas que eu gosto. tornar a rede como um diário enquanto eu não decido o que faço com a minha vida dentro da internet.

enfim.
que doideira.

Deixe um comentário

  1. Olá, bom dia! Já faz algum tempo que me desprendi desses números... Inclusive até do meu perfil no Instagram; o algoritmo basicamente quer matar o criador de conteúdo, o mesmo tem que ficar notificando o tempo todo que lançou algo novo... Eu cansei de acompanhar as pessoas devido a isso. Porque para quem apenas vai assistir o conteúdo, o que vale não é ver na hora que é lançado, é ver quando lembrar, quando surgir aquela vontade besta de ver as piadas de fulano, só que como hoje quase tudo faz parte de um negócio, ficou pacato, raros as pessoas que postam algo realmente relevante.
    Bom, já faz um tempo que ando lendo os posts, não sou a melhor pessoa para comentar sobre as coisas, vivo mudando minha opnião e vez ou outra faço uma queima de arquivo, mas quis deixar aqui meu pensamento sobre o que foi escrito, inclusive, parabéns, sua escrita é muito boa, raramente fico perdido quando leio e sinto como se houvessa uma troca calorosa; tá parei.
    Até o próximo post!

    ResponderExcluir
  2. oi, tudo bem?

    a necessidade de "engajamento" que a internet tem imposto nos últimos anos tem "matado" muitos como nós, que só queremos ter um espaço para nos expressarmos livremente sem o compromisso de entregar o famigerado "conteúdo". o que antes era uma diversão, hoje para muitos, se tornou um trabalho que em contrapartida extermina toda a criatividade.

    eu particularmente, nunca fui escravo de números e seguidores, nunca me importei com isso. mas imagino que pra muitos (como você citou) isso significa muito. tolice.

    tenho duas contas em todas as redes sociais, uma particular (e trancada) onde só está lá quem eu quero e outra aberta para divulgar meu trabalho como fotografo. achei viável dividir as coisas para não haver galhofas. e olha, pra mim, funcionou bem! consigo manter a minha vida privada longe dos curiosos e levar meu trabalho de boas também.

    ah, eu cheguei até você e seu blog através de uma indicação de um leitor meu. :)

    é isso, até mais!

    :)

    ResponderExcluir

&
 



histórico infame © 2012 – 2021