Resenha: "Maus", de Art Spiegelman

7 de mai. de 2015
Maus
Art Spiegelman
Ediotra Quadrinhos na Cia, 2015
296 páginas
Maus ("rato", em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, o livro ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura.

A obra é um sucesso estrondoso de público e de crítica. Desde que foi lançada, tem sido objeto de estudos e análises de especialistas de diversas áreas - história, literatura, artes e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as duas partes reunidas num só volume.
Nas tiras, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto.

Spiegelman, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para dar espaço a dúvidas e inquietações. É implacável com o protagonista, seu próprio pai, retratado como valoroso e destemido, mas também como sovina, racista e mesquinho. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável.


Estou numa nova fase: ler quadrinhos e hqs; Maus era uma das minhas primeiras escolhas para começar a ler quadrinhos e não me arrependo em nenhum momento. Sempre fui apaixonado - não que esse seja um termo legal para definir - pela história nazista, como tudo aconteceu e as variadas histórias que esse horrível período acarretou. Maus é um relato do holocausto escrito em graphic novel, o material do livro é retirado por meio das conversas que o autor tinha com seu pai Vladek, sobrevivente de um dos campos de concentração.

Nesse livro, temos uma grande distinção dos personagens: os nazistas são desenhados como gatos, os poloneses como porcos, os americanos como cães e os judeus como ratos. Achei isso bem diferente, mostrando ali quem era amigo de quem, dando cara e características aos personagens, dessa forma, podendo diferenciar um do outro; gostei dessa personificação.




Maus contém uma história emocionante, apesar de sempre ao entrar em contato com artigos, livros ou qualquer coisa ligada a essa e´poca, eu fico terrivelmente triste e tocado - afinal, isso realmente aconteceu. No quadrinho publicado pela Editora Cia das Letras, temos uma abordagem divertida em alguns momentos, mas em sua maior parte o personagem passa por tantos problemas, perde tantas pessoas queridas que chega impossível não ficar trite com o rumo que a história vai tomando. 





Não importa, por mais que eu já tenha lido diversas coisas sobre o holocausto, nunca vou me acostumar. Pois a cada novo livro ou filme que leio, sempre mostra grande número de mortes, mortes de pessoas que tinham família, sonhos, vontade... Eu recomendo bastante a leitura desse exemplar, ajuda a refletir, mas também dar uma visão de como tudo aconteceu, afinal, é a história de um sobrevivente


Deixe um comentário

  1. Eu tenho um leve pre conceito sobre quadrinhos, mas depois de uma menina conversar comigo em um evento, eu fiquei afim de ler um, e esse parece um ótimo começo, eu AMO historia, e essa deve ser magnifica!

    ResponderExcluir
  2. Olha, esse livro foi um dos mais geniais que já li, e foi a primeira HQ adulta que devorei (inclusive fez com que me interessasse por quadrinhos adultos, embora eu não tenha tanto o costume de ler o gênero). Tudo em Maus é sensacional: a trama em si, o texto, a maneira como foram representados os diferentes personagens. Certamente, um daqueles livros que a gente recomenda para todo mundo!

    Beijos, Livro Lab

    ResponderExcluir

&
 



histórico infame © 2012 – 2020