A escrita e a vida digital

20 de jun. de 2020

Estou enferrujado e isso está bem claro para mim, faz algum tempo que não paro para escrever e pensar no que escrever. Esse é um texto de palavras que estão vindo, por vir, para tentar permitir a criatividade e a inspiração.

Eu lembro que tinha mais facilidade de escrever as coisas, de levar a vida com um lado mais poético e positivista. Escrever era comum, expor os sentimentos eram comuns. Dentre a facilidade do acesso a informação, de tantas outras personalidades no instagram, de vídeos engraçados, feeds infinitos, notícias urgentes, me perdi. E acho que não é apenas comigo, a gente tem se perdido no meio de tudo isso, na correria de um tweet, nas mensagens compartilhadas no chat dos amigos.

A voz que costuma ter opinião ficou mais quieta, dizem que quando músculos quando não utilizados acabam atrofiando - deve acontecer o mesmo com pessoas que não falam faz tempo, a voz deve sair meio roca, não deve ser fácil. Não está sendo fácil se reposicionar no meio de tudo isso, filtrar e incluir nós mesmo dentro de todo esse contexto midiático. O sentimento verídico, se não estiver dentro do tema atual, não é relevante. O amor se não for no dia dos namorados parece não estar tão triunfado, como o dia das mães, dos pais. A vida ganhou um novo dilema que é ser postado, documentado em segundos que nunca iremos lembrar, porque estamos inseridos demais dentro da superficialidade.

É sobre isso, que a escrita tem se tornado difícil (e também uma das coisas mais recomendas pelos psicólogos): perdemos o ativismo e nos tornamos apenas consumidores de outros "criadores de conteúdo", de joguinhos viciantes no celular. O surto vem. O surto sempre vem porque no momento em que bloqueamos o nosso próprio eu, a nossa voz, em que deixamos nossos gostos, vontades, porque é comodo ficar no sofá arrastando o celular. Acredito que isso tenha muito relação com concepções básica do nosso corpo quando algo está inflamado a febre vem, quando a cabeça não está bem o surto vem.

O surto, assim como a febre, é um sinal. Sinal para desintoxicar, respirar. Talvez vir aqui sentar e escrever, colocar umas palavras para fora. A vida tem sido pesada demais para levar no automático - e na verdade, tem sido um pouco sem graça as conversas começarem com "você viu o que tal pessoa postou" ou "olha isso...". Eu não lembro com as pessoas se relacionavam, sobre o que conversavam, sobre o que escreviam.

&
 



histórico infame © 2012 – 2020